domingo, abril 23, 2017

Já praticou nadismo?? Hoje é um bom dia para experimentar!

Não, não é uma gralha! Não, não lhe estamos a sugerir sair por aí sem roupas! Estamos só a sugerir que hoje, durante algum tempo, não faça nada. E quando dizemos nada é mesmo absolutamente NADA.

Pensa que é fácil? Pense duas vezes, experimente uma, e vai ver que é mentira. Não há nada mais difícil do que não fazer absolutamente nada.

Em primeiro lugar porque é absurda a quantidade de coisas que somos obrigados ou que nos obrigamos a fazer todos os dias, desde que acordamos até voltar para a cama. Não são só as obrigações profissionais, ou parentais. É, também, tudo aquilo que achamos que temos de fazer, ou que devemos fazer, para sermos mais saudáveis, mais felizes, mais preenchidos, mais, mais e sempre mais.

Depois, vivemos numa sociedade que condena quem não alinha no ritmo alucinado do empreendedorismo, da ambição, da corrida para chegar ao topo, para descobrir a pólvora, para fazer milhões. Que ostraciza quem se manifeste satisfeito por estar onde está e não sentir necessidade de ir mais longe profissionalmente.  

Que olha de soslaio quem nunca viajou por esse mundo fora, coleccionando carimbos no passaporte, porque se sente bem a passar as férias na praia mais próxima ou, até, na varanda ensolarada do apartamento onde vive.

Que sorri, condescendente, e apelida de 'cromos' os que não usam as roupas da moda, têm carros com vinte anos e telemóveis com dez, e continuam a só fazer comprar na mercearia velhinha da esquina.
E, como se tudo isso não bastasse, ou, por causa de tudo isso, ainda temos um soldadinho interior que nos faz sentir uma imensa culpa sempre que não estamos a fazer nada. Como se estivessemos a deixar que a vida nos passe ao lado, a perder uma qualquer oportunidade extraordinária de fazer/ter/viver/descobrir qualquer coisa que pode ser importante.

Por tudo isto, e porque Marcelo Bohrer teve um esgotamento nervoso e decidiu que era chegada a hora de fazer uma pausa, foi criado o Clube de Nadismo - um movimento que reune pessoas em locais públicos, geralmente parques e praças com belos relvados, para não fazerem absolutamente nada durante um período de tempo determinado (45 a 60 minutos, geralmente).

O segredo está na simplicidade da coisa, que não requer técnica, nem postura especial, nem nada de coisa nenhuma para além de estar quieto, parado, sem fazer nada, e, também, no facto de serem encontros realizados periodicamente (uma vez por mês), marcados com antecedência, o que nos permite marcar na agenda uma data e uma hora para NÃO FAZER ABSOLUTAMENTE NADA.

Pode descobrir mais sobre o movimento nesta entrevista com o seu fundador, ou visitar o site ou a página de Facebook e, quem sabe, tornar-se embaixador do nadismo em Portugal para organizar um primeiro encontro.

sábado, abril 22, 2017

Aborrecidos? Vão mas é passear, pá!!

Óbidos

Sempre com a sensação que a vida é sempre a mesma coisa? Sempre a contar os minutos para o que vem a seguir, sem saborear o agora? Sempre com a mania que os outros é que a levam bem, e que a vida vos passa ao lado?
Não há pachorra!!! Vão passear!
Longe ou perto, há sempre lugares lindíssimos para descobrir. É só preciso vontade e a disponibilidade para um olhar novo. É claro que uns trocos no bolso dão mais jeito, e com eles se pode ir mais longe, mas muitas vezes isso é só uma desculpa parva para não se sair do lugar. Porque entre os milhares de hostels que pululam por todo o país, e mais os Airb'b da vida, e o couchsurfing, e a casa dos amigos, já para não falar no banco do carro, há sempre uma forma de conseguir quebrar a rotina, e fazer um fim de semana diferente.
Para muitos, este é grande. Mas mesmo que seja só um fim de semana normal, há que decidir passá-lo em grande. Só isso.
E é isso que vos desejo!
Porto
Lisboa

Algar de Benagil
Parque Nacional da Peneda Gerês

Cascais

sexta-feira, abril 21, 2017

De mala aviada para o fim de semana?


Em véspera de fim de semana, com feriado à vista, sol radioso e temperaturas que não só parecem como são de verão, foge-nos a cabeça para os planos de férias, mini-férias ou fins de semana fora. Curto ou comprido, quando passado fora de casa o fim de semana acarreta sempre o acartar de uma ou várias malas, sacos ou mochilas mais ou menos cheios com os nossos projetos para os dias que se aproximam.
Há quem faça enormes listas com tudo e mais alguma coisa, há quem nem goste de pensar nisso e vá atirando para dentro da mala as primeiras coisas que lhe vêm à cabeça ou à mão, há quem tente fazer umas escolhas mais racionais e quem encare a viagem como uma oportunidade para levar coisas que no dia a dia normal jamais ousaria usar. Seja como for, muitas das coisas acabam por nunca sair da mala, mas como só a preparação já faz parte do gozo, não virá daí grande mal ou mundo. A não ser ...
A não ser que vá numa daquelas viagens de avião com um preço tão fantástico que só inclui uma mini mala e cobra a peso de ouro qualquer bagagem extra, ou que tenha de partilhar a bagageira do seu carro com mais quatro pessoas, ou que vá de mochila às costas. Nestes casos, o volume conta, o peso conta, e a quantidade conta muitíssimo. 
Para ajudar partilhamos consigo dois videos que apresentam técnicas diferentes para fazer a sua mala aproveitando cada cm de espaço disponível preservando o melhor possível o seu conteúdo. Um dos métodos será mais ortodoxo do que o outro, mas em ambos vai encontrar sugestões engraçadas e fáceis de pôr em prática.
Depois, é só pegar na mala ou na mochila, e zarpar!
Bom fim de semana!

video
video



quinta-feira, abril 20, 2017

Cansaço? Deite tudo cá para fora!



Porque a semana já vai longa, e o cansaço começará, muito provavelmente a apertar, sugerimos-lhe um tratamento gratuito e altamente eficaz para erradicar cansaço, tristeza, irritação, neura, embirração, melancolia e todos esses sentimentos cinzentos que se vão acumulando no dia a dia.
Trata-se de uma terapia provada e aprovada pela série Anatomia de Grey que a aplica com frequência, em momentos particularmente difíceis ou embaraçosos em que pouco mais há a fazer que chorar, fugir ou ... começar!

Esteja onde estiver - e até pode ser num transporte público, se tiver coragem para tanto - ponha uma música bem animada a tocar, com ou sem auscultadores, conforme o seu grau de ousadia e ponha-se a dançar! Pode começar discretamente, só a bater o pézinho e ir deixando a coisa avançar por si, lentamente. Ou pode convidar os seus colegas de escritório a partilharem a experiência consigo.  Pode, também,  ir para a casa de banho e fazê-lo sem ninguém ver ... o importante é soltar o corpo e deixar a música tomar conta de si, sem receio, sem controle e, sobretudo, sem medo do ridículo. Bem podem pensar que enlouqueceu, mas quem se atrever a aceitar o desafio e acompanhar a brincadeira depressa vai perceber estar na posse de um segredo milagroso capaz de mandar para os infernos e destruir em segundos qualquer neura, angústia ou ansiedade que por ali ande. Depois, é só desligar a música, voltar à sua secretária ou local de trabalho com o ar mais compostinho e seráfico de sempre, e retomar o que estava a fazer anteriormente, mas agora com um sorriso!


quarta-feira, abril 19, 2017

Quer um cérebro saudável? Troque-lhe as voltas!


Enquanto escolhe e não escolhe o ginásio que vai devolver a melhor forma física ao seu corpo não se esqueça de ir tratando do cérebro. É que para ser feliz, e se sentir mesmo bem, o seu cérebro precisa de alimento constante, estímulos interessantes e adora quando você lhe prega uma ou outra partida. Por isso, hoje aproveite e troque-lhe as voltas! Surpeenda-o e surpreenda-se fazendo algo diferente. 

A nossa sugestão: 
No regresso a casa apanhe o metro no sentido contrário ao habitual. Saia na última estação, ou noutra qualquer, ao calhas, e explore as ruas que ficam em volta. Beba um café num sítio que não conhece, veja as montras, vá a pé até à estação seguinte ... e retome o seu percurso habitual.
Para quem vai de carro, ou de autocarro, ou a pé, o segredo é basicamente o mesmo. Saia na direção contrária à que usa habitualmente, páre num lugar que não conhece e descubra novos sítios, novas pessoas, novos caminhos.

Em qualquer dos casos, antes de voltar ao seu percurso habitual, sente-se por uns minutos num banco, num degrau, num muro e dê espaço aos seus sentidos: respire fundo, observe os efeitos da luz, sinta a deslocação do ar na sua pele, o calor ou fresco da tarde, dê atenção aos ruídos. Só por uns minutos, ou mesmo uns segundos, sinta esse lugar diferente que o rodeia, e depois volte tranquilamente aos seus hábitos de todos os dias ... com um sorriso maior, até apostamos!

terça-feira, abril 18, 2017

E o segredo da felicidade é ....



Do muito que se tem estudado para descobrir o segredo da felicidade há um resultado que surge de forma recorrente e que demonstra existir uma relação direta entre a gratidão e a felicidade. Quanto mais nos entregamos ao sentimento de gratidão, mas felizes nos sentimos. E, mais curioso ainda, é que podemos mesmo usar a gratidão para aumentar o nosso nível de felicidade. Bastará pensar em alguém a quem estamos gratos e nas razões dessa gratidão e o efeito é quase imediato. No estudo que aqui podem ver os intervenientes enumeram, por escrito, os motivos da gratidão que sentem, e são depois convidados a ler essa 'carta', por telefone, à pessoa  que lhe deu origem. Expressar a gratidão por escrito aumentou os índices de felicidade em todos os participantes, mas fazê-lo em directo gerou níveis ainda mais elevados de felicidade. O resultado mais curioso do estudo, para mim,  é que a coisa funciona ainda melhor para quem começou por se sentir pior no início da experiência. O que quer dizer que vale mesmo a pena experimentar isto quando estamos a ter um dia 'daqueles'.

Por mim, deixo uma sugestão mais simples mas que funciona de muitas maneiras - agradeça SEMPRE! À senhora da caixa do supermercado, que lhe deu o troco ou à que não lhe deu nem troco nem atençao, à pessoa que lhe segurou a porta para passar, ou à outra, que a deixou fechar-se mesmo no seu nariz, ao condutor que lhe deu passagem ou ao outro que acelerou e ficou a tapar o cruzamento, ao empregado do café que lhe colocou o pequeno almoço no balcão antes ainda de o ter pedido, ou ao outro, que lhe virou costas antes de acabar de pedir, se enganou vinte vezes, e nem uma palavra lhe disse. Agradecer genuinamente ou com ironia, põe-nos sempre num lugar melhor. Porque simpatia gera simpatia, e fazer parte de uma cadeia de bom humor é uma excelente sensação, mas, também, porque gozar com o mau humor dos outros, deixando-os perplexos com a nossa gratidão também dá um gozo de todo o tamanho!

segunda-feira, abril 17, 2017

Happy sound, happy monday


Para acabar com os 'monday blues' atire-lhes com uma boa playlist de happy songs daquelas que, mesmo não sendo nada o seu género, mesmo que as ache pirosas ou idiotas, têm uma qualquer misteriosa ligação direta ao seu pézinho que começa por bater discretamente, sozinho, e às tantas já se faz acompanhar pelo balanço de todo o corpo e, mais importante, por um sorriso ou a vontade dele.

Se tem Spotify, saiba que há uma lista chamada HappySounds. Se não tem, pode sempre aproveitar 
link que encontrámos, ou procurar por essa imensa net. Seja como for, recomendamos que logo que tenha um tempinho disponível o aplique na seleção e edição da sua própria Happy Song List. Feita por medida será ainda mais eficaz e os resultados seguramente mais rápidos.
Boa semana!

sexta-feira, abril 14, 2017

Fim de semana santo!



Fim de semana de doces, e família, e amigos, e afilhados, e madrinhas, e padrinhos, e mimos, e risotas, e mais amigos, e dormir até às tantas, e comer até não poder mais, e esquecer as preocupações, e esquecer a balança, e ganhar balanço para recomeçar depois das festas, e festejar as festas, e aproveitar todos os minutinhos e vivê-los bem, como se cada um fosse uma hora de pura alegria e prazer.
É Sexta Feira Santa, e felizmente já não há só música sacra na rádio, e 'Os 10 mandamentos' na televisão, e a solenidade da época, para quem assim a vê, pode ser vivida com menos tristeza e mais entrega à alegria de viver.
Porque se dizem que morreu por nós, não há-de ter sido para vivermos tristes e miseráveis todos os dias, não acham???